7 fatores que podem fazer o teste de software fracassar

Imagem de capa do post 7 fatores que podem fazer o teste de software fracassar

Nos dias atuais, se exige cada vez mais que as organizações desenvolvam software com menos defeitos. Desse modo, a qualidade passou a ser uma exigência de mercado, já que é um dos fatores cruciais para o sucesso do negócio, satisfação dos clientes e aceitação dos produtos. Em contrapartida, a falta de qualidade pode acarretar sérios prejuízos, perdas de clientes, insatisfação dos usuários entre outros aspectos.

Dentre as técnicas utilizadas para controlar e garantir a qualidade de sistemas, tem-se o teste de software. Testar uma aplicação é basicamente executá-la com o intuito de encontrar falhas. Entretanto, apesar da importância desta atividade, por vezes, ela não recebe a devida atenção e destaque nas empresas.

Nesse sentido, selecionamos alguns fatores que impactam na sua correta execução fazendo-a falhar, vamos conhecer alguns?

1 – Pouca importância destinada a realização da atividade

Algumas empresas ainda têm uma visão equivocada do teste de software. Imaginam que é desnecessário, gera custos elevados e demanda muito tempo para ser realizado. A verdade é que quando bem aplicado, o teste contribui para aumentar a qualidade do produto, gerando vários benefícios para as partes interessadas no sucesso da aplicação. Ademais, caso receba a devida importância, certamente compensa os investimentos necessários.

2 – Informalidade do processo de teste

Muitas vezes ocorre que não existe um processo formal e bem definido de teste nas empresas. Nesse contexto, a avaliação da qualidade é executada sem o devido planejamento e por profissionais que não são especialistas na área. Não que isso não seja válido. Porém, quando possível, os testes devem ser realizados de maneira dedicada e especializada para evitar, entre outros aspectos, um consumo desnecessário da equipe e não obtenção de resultados efetivos.

3 – Desenvolvedores não gostam de testar

Sabe-se que a equipe de desenvolvimento não gosta muito de testar, porém é preciso que esta realize ao menos testes básicos para que o código construído tenha o mínimo de qualidade esperado e chegue de forma adequada em níveis posteriores de teste.

Do ponto de vista do desenvolvedor, o teste pode ser considerado destrutivo. Contudo, o testador pode certamente ajudar a melhorar o sistema para o usuário-final. Por vezes, as empresas acreditam que se incluírem testadores na equipe os desenvolvedores irão acomodar-se e escrever códigos com bugs. No entanto, quando o time trabalha junto em busca da entrega de produtos melhores, todos saem ganhando e os próprios programadores tem feedback rápido e constante podendo melhorar o seu trabalho.

4 – Imaginar que teste de software é caro

Toda atividade se torna “cara” quando não gera os resultados esperados.

É claro que a atividade de teste demanda recursos financeiros, humanos, entre outros. Consome também boa parte do tempo utilizado no desenvolvimento de sistemas devendo inclusive, prosseguir além da entrega na fase de manutenção. Todavia, quando bem planejada e executada com base no cenário e necessidades do cliente, certamente proporciona benefícios, gera resultados concretos e compensa o valor investido como citado anteriormente.

5 – Pouco tempo dedicado aos testes

Esse é um fator muito comum em várias empresas em que o teste é deixado para ser executado somente no final do processo. Isso quando é realizado. O problema dessa abordagem é que as vezes falta tempo e os testes acabam sendo sacrificados comprometendo a qualidade da entrega. Aqui se aplica uma máxima da área de teste, a qual diz que “quanto mais cedo as atividades de teste iniciarem no processo, melhor”. Testes executados de forma incremental também são úteis nesse sentido.

6 – Falha de comunicação entre equipes

Falha de comunicação é muito comum em projetos e não seria diferente no processo de teste. Para minimizar esse problema, deve haver um acompanhamento permanente e constante troca de informações entre as equipes envolvidas. Isso deve ocorrer obviamente de forma clara e preferencialmente através de ferramentas adequadas e canais oficiais para este fim.

7 – Utilização de ferramentas inadequadas

As ferramentas utilizadas para dar suporte ao processo de teste devem ser definidas de acordo com as características do projeto e serem de conhecimento das equipes envolvidas. Alguns exemplos são: ferramentas para gestão de defeitos, ferramentas para gestão de testes, ferramentas para automação de teste, entre outras. As informações obtidas dessas ferramentas são usadas para determinação dos resultados dos testes realizados, sendo estes analisados através de relatórios comparando-se o resultado esperado versus resultado obtido.

Portanto, a utilização de ferramentas construídas para este fim como, por exemplo, o QualiGO, é primordial para obtenção de dados confiáveis e acompanhamento de todo o processo de teste da empresa.

Conhece mais aspectos que impedem o sucesso do teste de software? Deixe seu comentário.

Precisa de ajuda para contar com resultados garantidos no processo de teste? Entre em contato conosco e saiba como podemos ajudá-lo.

Compartilhar:
0 Comentários

Deixe seu comentário

Fale AGORA com um de nossos consultores

Comentário adicionado com sucesso