Testes Automatizados e Unitários: Entenda as suas características e diferenças

Imagem de capa do post Testes Automatizados e Unitários: Entenda as suas características e diferenças

Algumas dúvidas chegam até nós referentes as diferenças entre testes automatizados e testes unitários. Então, escrevemos este post para falar um pouco sobre esse assunto e esclarecer algumas delas, vamos lá?

Testes Automatizados

A automação é uma técnica que basicamente faz uso de ferramentas para executar ações de teste de software de forma automática. Seu objetivo fundamental é reduzir procedimentos que são realizados manualmente, diminuindo o envolvimento humano em tarefas repetitivas. Este processo segue os seguintes passos principais:

Planejar testes

Geralmente, quando se fala em automação de testes, imagina-se que tudo deva ser automatizado. Entretanto, isso nem sempre é verdadeiro e deve ser feita uma análise criteriosa de quais casos de teste devem ser automatizados. Eis alguns critérios de escolha:

  • Funcionalidades importantes do sistema;
  • Funcionalidades utilizadas com frequência;
  • Casos de teste que envolvem riscos para o Negócio.

Portanto, nesta etapa são planejados aspectos referentes ao ambiente de teste utilizado, cronograma de execução, entregáveis gerados com a execução, equipe envolvida, escopo de automação, entre outros fatores.

Selecionar ferramentas

Cuidado, não devemos imaginar que ferramentas de testes automatizados são a bala de prata para resolver todos os problemas inerentes a qualidade de software. Para realizar o processo de automação, devem ser adquiridas ferramentas adequadas de acordo com o tipo de teste e requisitos do sistema que será automatizado. Aliás, selecionar as ferramentas certas é fator crítico de sucesso para o projeto.

Executar testes

Nesta fase são efetuados os testes, tendo como base o planejamento, escopo e ferramentas definidas. Ademais, é imprescindível estabelecer um processo de manutenção e atualização dos scripts de teste para que os resultados obtidos sejam confiáveis a cada ciclo de execução.

Alguns benefícios conhecidos e comprovados da automação de testes são listados a seguir:

  • Geram feedback rápido quanto a qualidade da aplicação;
  • Podem ser executados de modo contínuo, dando suporte ao time de desenvolvimento;
  • Mais rápidos comparando-se a testes manuais;
  • Repetíveis e permitem reutilização;
  • Proporcionam resultados confiáveis;
  • Previnem a ocorrência de bugs em produção;
  • Diminuem custos de correção de bugs;
  • Geram ganho de tempo.

Assim sendo, pode-se afirmar que testes automatizados são essenciais no processo de desenvolvimento pois, através deles, erros são identificados e resolvidos preventivamente antes do software ser colocado em produção. Abaixo, são listados alguns tipos de testes que usualmente podem ser automatizados:

  • Teste de Unidade;
  • Teste de Integração;
  • Teste de Funcionalidade;
  • Teste de Regressão;
  • Teste de Desempenho;
  • Teste de Carga;
  • Teste de Estresse;
  • Teste de Segurança.

Testes Unitários

O primeiro item da lista apresentada acima refere-se a testes de unidade, testes unitários ou, ainda, testes de caixa branca, os quais normalmente são feitos pelos desenvolvedores na fase de codificação do sistema. Existe um conceito chamado "Pirâmide dos Testes" automatizados em que os testes unitários estão na base (sendo priorizados), seguidos pelos testes de integração e interface do usuário. Logo, teste unitário é um tipo de teste de software em que unidades, classes, métodos, objetos, módulos ou funções são testadas isoladamente. O intuito é validar cada componente para averiguar se eles foram construídos corretamente.

Comumente, testes unitários são desenvolvidos para serem efetuados de forma automática, mas nada impede de serem realizados de forma manual. Por serem criados e executados durante a etapa de codificação, ajudam a identificar e resolver bugs já nas fases iniciais do projeto. Testes unitários também podem ser utilizados como testes de regressão para verificar se o software continua funcionando após ser feita uma refatoração (reestruturação de código), por exemplo. Esse tipo de teste gera confiança para que os desenvolvedores possam fazer mudanças de maneira rápida e segura nas aplicações e normalmente são rápidos de serem executados.

Há diversas bibliotecas e frameworks disponíveis para a implementação de testes automatizados como JUnit, PHPUnit, NUnit, TestNG, Jest, Unittest, entre outras, que facilitam a criação, execução a apresentação dos resultados. Ferramentas são instrumentos que apoiam a realização de determinadas atividades e a sua escolha depende das necessidades de cada organização.

Como foi visto, tanto a técnica de teste automatizado quanto o tipo de teste unitário possibilitam o desenvolvimento de software com qualidade e previnem defeitos. Quer colocar em prática os temas abordados nesse artigo?

Entre em contato e inicie um processo de Testes Automatizados na sua empresa.

Compartilhar:
0 Comentários

Deixe seu comentário

Fale AGORA com um de nossos consultores

Comentário adicionado com sucesso