De forma básica, o objetivo principal da Automação de Testes é tornar automática a execução de atividades realizadas manualmente e dentre os benefícios dessa abordagem estão:

  • Ganhos com agilidade e redução de tempo.
  • Possibilidade de repetibilidade e escalabilidade.
  • Aumento da qualidade e confiabilidade.
  • Otimização de custos.

Neste contexto, sabe-se que Testes Automatizados são de grande importância. Mas automatizar é a “salvação da pátria” e resolve todos os problemas relacionados a Qualidade no desenvolvimento de software?

Essa pergunta surge pelo fato de algumas empresas quererem iniciar um processo de Controle de Qualidade pela automação sem terem processos estabelecidos, ferramentas adequadas e pessoas capacitadas.

Seria este o caminho mais viável?

Para responder essa questão, listamos alguns pontos a serem considerados antes de iniciar um projeto de automação de testes na sua empresa, confira a seguir:

1 – Minha empresa está preparada?

Devo automatizar a bagunça? A frase pode parecer forte, mas é algo a se pensar.

Em alguns casos, empresas não possuem um processo de testes minimamente estabelecido e querem implantar automação. Imaginam que a simples aquisição de uma ferramenta irá ser suficiente. Puro engano, automação para ser bem-sucedida depende de ferramentas adequadas, processos estabelecidos e profissionais qualificados para realizarem as atividades. Ademais, automação pode requerer mudanças no formato de trabalho das equipes e isso envolve questões culturais da empresa.

2 – Devo automatizar tudo?

Na maior parte das vezes isso é inviável devido à complexidade dos sistemas e pelo esforço necessário. Logo, definir funcionalidades candidatas a automação é uma boa prática. Eis algumas delas:

  • Funcionalidades que fazem parte dos Testes de Regressão.
  • Funcionalidades com criticidade alta.
  • Funcionalidades que se repetem com frequência.

Além disso, existem alguns tipos de testes que devem permanecer sendo feitos de forma manual por terem maior custo-benefício comparando-se a automação.

3 – Possuo conhecimentos básicos?

Automação fornece dentre outros benefícios uma forma de automatizar processos manuais e repetitivos, tornando a execução destes mais confiável e permitindo serem realizados toda vez que for preciso.

Mas, para que isso torne-se realidade, faz-se necessário ter conhecimento em ferramentas e contar com profissionais especialistas na linguagem destas aplicações para que sejam criados os chamados scripts de teste.

Portanto, não contar pessoas capacitadas e ter conhecimentos básicos pode decretar o fracasso dessa iniciativa na sua empresa.  

4 – Terei o custo-benefício esperado?

Cuidado, nem todo projeto é candidato a automação. Essa abordagem pode não ser tão atrativa, por exemplo, para o desenvolvimento de sistemas que possuem um volume alto de mudanças devido à necessidade constante de atualização dos scripts de teste. É preciso averiguar também se automatizar irá diminuir o tempo e custo no processo de desenvolvimento, ou seja, deve ser feita uma análise para avaliar o retorno de investimento (ROI) e analisar se as expectativas serão atendidas com esse processo.

Como foi abordado ao longo desse texto, um processo eficaz de automação ajuda as empresas que desejam reduzir possíveis erros, aumentar a produtividade, otimizar custos, reduzir o tempo e ganhar confiabilidade na execução de testes.

Aqui na Testing Company utilizamos um método específico para realizar a automação de testes o qual é composto pelas seguintes fases:

  1. Analisar sistema a ser automatizado: Coletar informações iniciais acerca do sistema, objetivos do projeto, esforço para automação, etc.
  2. Analisar ferramentas de automação: Listar ferramentas candidatas a serem utilizadas no projeto de automação.
  3. Definir ferramenta de automação: Definir as ferramentas a serem utilizadas no projeto de automação.
  4. Definir casos de testes: Definir os casos de teste que serão automatizados na aplicação.
  5. Criar scripts de teste: Criar os scripts de teste para os casos de teste selecionados na etapa anterior.
  6. Testar os scripts de testes: Testar os scripts de teste criados com o objetivo de verificar se estes estão funcionando corretamente e gerando os resultados esperados.
  7. Documentar os procedimentos: Documentar os procedimentos utilizadas pela equipe durante o processo de automação.
  8. Verificar atualizações: Revisar os scripts de teste para verificar se estes precisam ser atualizados de acordo com novos requisitos ou alterações do sistema.

Quer conhecer e utilizar esse processo na prática para obter os seus benefícios? Entre em contato conosco agora mesmo e converse com um dos nossos Especialistas.

Escrito por Cristiano Baumgartner